Escritas do fundo do mar

17
Jan 09
Dormia o meu sono egoísta e despreocupado quando tu chegaste. Irrompeste os céus da minha noite com a frieza do facto consumado e tomaste as rédeas do choque seguinte. Trazias contigo a morte e nem me deste tempo de te aceitar e de te dizer que não queria que chegasses.

Não eras um acto de jornalismo pensado, mas uma crueldade de um destino irreflectido e injusto. Ainda nem tínhamos fechado os olhos sobre a última morte e já me estavas a acordar de novo de uma forma imprevista. Deixa-me! Deixa-me dormir que não quero ouvir o que tens para dizer. Quero que a última noite se apague das nossas existências e que a maldita interrupção da tua chegada, nunca tenha existido.



Mas existiu... e agora temos que viver contigo. Dobrar roupas que ainda respiram, guardar sacos mórbidos de espanto, enviar cartas vivas por assinar, beijar olhos pejados de lágrimas, abraçar os mesmos de há 4 dias. Não estamos preparados! Que injustiça, que crueldade!

Porque vieste?!...

Bilhetado por Brunorix às 22:53

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

12

18
21
22
24

25
29
31


BILHETE`S DIVER
EMÍLIO DO BILHETE
bilhetedeida@gmail.com
Encontrar Bilhetes