Escritas do fundo do mar

20
Jun 08
Sou o antónimo do cavador. Cubro de salvação, a porcaria deixada. Sou um tapa buracos. Dos que eu abro, dos que os outro abrem, dos que nunca se fecham. Trabalho na sombra do silêncio e apareço na altura precisa em que o buraco é tal, que tem que ser tapado!

Pensando bem, sou bombeiro. Apago fogos de má vontade a toda a hora. Circunscrevo os meus incêndios, os dos outros e os que nunca se apagam. Trabalho no calor do fogo e apareço com a água necessária para o apagar. Refresco da convicção, o cheiro a brasa molhada.

Na verdade, sou canalizador. Vedo fugas de incompetência, ao longo do meu pingar. Fecho as minhas torneiras, as dos outros e as que nem têm rosca. Trabalho no canalizar molhado, do teflon que impede a fuga. Aperto porcas de raiva, no torneirar* da incompreensão.

Ou então sou um palhaço. Rio da superioridade de um truão, imposta no meio de tanta piada. Dou gargalhadas das minhas palhaçadas, das palhaçadas dos outros e dos palhaços inveterados. Trabalho no gargalhar da estupidez próxima, que alegra o colorir dos dias inacreditáveis. Que palhaçada!

Faço tanta coisa, que nem sei mas é o que é que ando aqui a fazer. Faço tudo o que ninguém faz e ninguém quer, não se sabendo que assim o é. Aparece feito e já está, não interessa como nem porquê. Procura-se o responsável, apenas se correr mal. É o problema de trabalhar nas zonas cinzentas, na dúvida sobra sempre para os mesmos!

Ainda um dia há-de ser valorizado…




* ( eu torneiro, tu torneiras, ele torneira…)
Bilhetado por Brunorix às 20:16

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Junho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

19
21

23
24
26
28

29


BILHETE`S DIVER
EMÍLIO DO BILHETE
bilhetedeida@gmail.com
Encontrar Bilhetes