Escritas do fundo do mar

02
Jun 09
O Gladíolo Verde de imaturidade cresceu na rua da esperança, dois palmos abaixo do original caule do Gladíolo Vermelho de raiva e adulto de convicções. Cresceu curvo de intenção e sempre teve dores nas costas da alegria, que fugia.



Andou na escola do tempo e chumbou opções, enquanto passava concomitâncias. Apenas o suficiente. Nada de esforço porque a apanha do sol doía nas intenções. Travou-se de razões com a obrigatoriedade e tatuou nas folhas da vida a marca da ignorância, ou seria apenas criança?

Julgou a rigidez plantada e regou orgulho para o caminho, só mais um bocadinho. Água a mais. E agora, onde vais?! Afundou de novo a raiz, afinal já não era petiz, e fincou convicções no destino. Mudou de vaso. Seria para tanto o caso? Foi.

A distância do orgulho não é circunstância, é implicância. Viradas as costas, e os vasos, não há sol que apanhe os dois lados. Quando o Gladíolo Vermelho se sola o Verde insula. Depois trocam. E mensagens também.



O Gladíolo – que já não é assim tão – Verde, está a mudar de cor e a perder a dor. Avermelham-se as batidas do futuro, mas ainda não cresce nenhum verde mais abaixo. Por enquanto. Pasme-se o espanto.

Jorram-se decisões em espadana loucura. Que ternura.

Bilhetado por Brunorix às 13:31

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
13

14
17
20

21
25
27

28


BILHETE`S DIVER
EMÍLIO DO BILHETE
bilhetedeida@gmail.com
Encontrar Bilhetes