Escritas do fundo do mar

11
Mar 10

 Recebido:

 

1 - Uma alface assassina um homem.

2 - Causar efeito de perdão no leitor.

3 - 15 Minutos (revisto).

 

 

Devolvido:

 

Querida Alfácia,

 

É verdade. Tudo o que tens ouvido sobre mim é verdade. Fui eu que o matei e se fosse hoje voltava a matar.

 

Eu não podia ficar plantado à espera que as autoridades fizessem o que lhes compete. Sabes bem como é a justiça na nossa Quinta. A maneira bárbara com que ele te pisou as folhas, as dentadas nojentas que deu no Alfacinho e na Alfacinha. Eu não podia meu amor, percebes? Os nossos filhos morreram no prato enquanto nós sangrávamos na saladeira! Ainda hoje mexo mal o caule esquerdo. E tu minha Alfácia? Cheia de manchas castanhas e a cheirar mal enquanto as lágrimas de mãe te corriam pelas folhas do desgosto… foi demais para mim.

 

Ainda hoje penso que foi a mão de Deus que atirou aqueles dois garfos na direcção da testa dele, porque eu sinceramente não sei onde fui buscar forças para o fazer. Tenho recebido cartas de todos os legumes da Quinta a felicitar-me pela coragem e por nos ter libertado daquele malvado. Parece que a paz reina agora por aí.

 

Espero que compreendas minha Alfácia. Eu tinha que cumprir o meu papel de pai e de marido. É a última vez que te escrevo, pois estou na bancada da morte. Fui condenado à cozedura por panela de pressão. O meu corpo vai-se desfazer na água a ferver e passarei a ser um qualquer puré verde. No entanto, não me arrependo! Faria tudo de novo.

 

O Padre saiu daqui agora mesmo e até a última refeição dispensei. O meu último e único desejo é saber que me compreendes e que me perdoas.

 

Com todo o amor,

Alfácio

 

 

Bilhetado por Brunorix às 13:42

 

Se estás a ouvir, escuta a nossa vontade e vem cantar a mesma canção. Os acordes que sentimos são os teus e as melodias que nos palpitam são as mesmas. A vibração das emoções também seca as nossas cordas vocais.

 

Se estás a olhar, vê o nosso desejo e abraça a nossa ansiedade. Não te assustes com as mudanças porque o sentimento é genuíno e o querer tudo vence. Ansiar é o momento exacto que precede o passo no abismo. Juntos, levitaremos pelo vale.

 

Se estás a tocar, sente o tacto das nossas palavras e conjuga os nossos verbos. Somos todos peões no xadrez dos acontecimentos e o jogo do destino não é comandado por nós. As frases da nossa esperança estão escritas em todas as pedras, pretas e brancas. Se quisermos, o xeque-mate está no fim das nossas vidas.

 

Se estás a cheirar, deixa-te levar pelo olfacto da alegria e acredita na razão. Os braços dados com vontade edificam relações de futuro em andaimes de confiança. Os ventos que nos envolvem cheiram à brisa quente da tranquilidade.

 

Se estás a saborear, aproveita o doce do momento e trinca o amargo do passado. Deixa que o paladar da ternura te envolva as emoções e degusta sem rejeição os novos sabores.

 

Se estás aí… deixa que os sentidos façam sentido.

 

 

 

Bilhetado por Brunorix às 13:14

Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
13

14
15
16
17
18
20

21
22
26
27

28
29
30
31


Bilhete Radiofónico

 

BILHETE`S DIVER
EMÍLIO DO BILHETE
bilhetedeida@gmail.com
BLIHETES PUBLICADOS

 

 

 

Encontrar Bilhetes