Escritas do fundo do mar

30
Jul 09
Este blogue, e a mente retorcida que o alimenta, está oficialmente de férias. Nos próximos dias estaremos algures num dos pontos da foto. Tudo vai mudar depois desta semana e muitas decisões de futuro serão lavradas neste ponto do Atlântico. Com pérola ou sem.

Como não podia deixar de ser, até parece que sabem que venho aqui contar, a viagem de ontem teve os seus contornos. Enquadramento: Terminal 2 do aeroporto da Portela a rebentar pelas costuras, overbookings em todos os voos, as pessoas a refilarem por todo o lado, caos e filas de desespero.

Take 1 (já na fila para o embarque com 1h e 30m de atraso):

Funcionário TAP - Sr. Fulano de Tal?
Eu - Sim?!
Funcionário TAP - Pode passar aqui para este balcão, por favor?

Alerta vermelho nos meus ouvidos. Tu queres ver que...

Funcionário TAP - O seu cartão de embarque por favor...
Eu - Aqui está, fiz o check-in on-line. - Queres ver que não há lugar e já não vou neste...? - Mas há algum problema? - Inquiri com medo da resposta.
Funcionário TAP - Hoje até há vários... a questão é que estamos com excesso de passageiros e...
Eu - E? - Mau... Já tou mesmo a ver...
Funcionário TAP - Bem... o senhor importa-se de ir em executiva?
Eu - Ah bom! - Disse e pensei enquanto o alerta mudava para verde - acho que posso fazer um esforço!

Vai buscar! Bebidinha e comidinha menos má, espaço para as pernas e mais sorrisos. Maravilhas de sentar logo à frente enquanto os outros passam ainda a bufar... Começam bem as férias!


Bilhetado por Brunorix às 11:21
tags:

27
Jul 09
Depois de 333 impressões, sobretudo para quem se deixou impressionar, segue a votação com destino a férias. Como a época veraneante alonga o tempo para as leituras, surge uma pequena inovação na próxima escolhas. Exacto: escolhas.

Vou sugerir mais livros para votação e faremos dose dupla, ou seja, vamos ler os dois mais votados. Assim sendo, os prazos (de votação e de leitura) alargam ligeiramente. De acordo? Eu sabia que sim! Seguem:


1 – A Educação Sentimental – Gustave Flaubert




2 – Os Meus Sentimentos – Dulce Maria Cardoso




3 – O Último Cabalista – Richard Zimler




4 – O que diz Molero – Dinis Machado




5 – A Montanha da Alma – Gao Xingjian




6 – Uma Casa na Escuridão – José Luís Peixoto




P.S. – Naturalmente, podem votar em mais que um. Boas férias de leitura ou boas leituras de férias.

Bilhetado por Brunorix às 12:51

25
Jul 09
Ainda mais que da outra


Bilhetado por Brunorix às 00:26

22
Jul 09

Ouvidos selectivos são filtros de indiferença. Traduzem o som da nossa voz em espaço vazio e o olhar na distância do acontecimento seguinte. O desgaste da incompetência destrói pilares de motivação. Com razão.

Produzem-se frases de opinião e espera-se o mínimo de atenção. Mas não. Nada. Vazio absoluto de interesse. Será o tom da pele? A cor do cabelo? Ou a falta de conivência com o sistema? Temos tema.

Na força dos intentos nasce a razão e recuar é como desistir. A rocha da convicção é o único porto de abrigo que não afunda na podridão de uma afinação geral. Bem ditas as vozes desafinadas da diferença. É uma luta muito dura, mas é connosco que adormecemos todos os dias e é preciso dormir tranquilamente para continuar a remar. A energia da certeza é que dá força ao viver. É preciso é querer.

Se unirmos as vozes que não têm som num uníssono grito mudo, conseguiremos chegar ao céu da indignação e deitar fora as línguas do desprezo. Unam-se as mãos!




Bilhetado por Brunorix às 17:52

21
Jul 09
São preciosidades do destino que devemos conservar, cuidar e de preferência usar em proveito próprio, e se possível dos outros também. Nem todos são abençoados com estes desígnios do Senhor, mas o que são deviam ser OBRIGADOS a usá-los da melhor maneira possível.



Felizmente, é o que faz este “abençoado” que dá pelo nome de Luís Franco Bastos e que usa este dom de uma maneira arrepiante. Independentemente dos textos lidos o timbre das imitações é tão igual nalguns casos que parece que as pessoas estão ali na nossa frente a sair pela garganta dele.

Absolutamente a não perder. Aqui fica um gostinho do que se pode rir, sendo que ao vivo arrepia mais.




Bilhetado por Brunorix às 19:02

17
Jul 09
Um Conto sem ponto e um Verso perverso encontraram-se na esquina de um livro.

Perguntava o Conto pela vida do Verso, mas como não tinha ponto, nem sequer entoava questão. O outro que era torto e ainda por cima perverso, nem tentava perceber nem ajudava de antemão.

Dobradas, a contenda e a esquina seguiram na cavaqueira da vida. Sempre com frases não terminadas, outras ideias maltratadas e uma estrada mais curta que comprida. Amigaram-se do conhecimento e abraçaram as palpitações da discórdia. Sempre na paródia.



Rábulas feitas entre ruas mais estreitas, saltaram capítulos de concordância, com notas de menor importância. Assuntos lá de baixo, assim do pé da página que o importante está mais à mão e no resto nem me encaixo. Mas também não digo que não.

Chegaram depois à partida desenhando argumento perverso, sem verso e encheram de pontos todos os contos que encontraram no bem dito regresso. Sentados na mesma esquina primeira, combinaram que aquele livro à maneira seria para todos o inverso.

O mesmo será dizer, que o conto que se está a ler, leva ponto e leva verso mas não é de todo perverso.

É apenas fraquinho, tadinho…

Bilhetado por Brunorix às 18:43

Saía pela janela da Mãe
Entrava pela porta do Pai

Saltava da algibeira do Pai
Escondia-se na mala da Mãe

Deixava a obrigação da Mãe
Escolhia a imposição do Pai

Despia o verde do Pai
Vestia o azul da Mãe

Estudava a facilidade na Mãe
Decorava uma fraqueza no Pai

Fugia da vida do Pai
Fugia da vida da Mãe

Era um Pim-Pais-Pum



Procurava o aconchego da Mãe
Chorava no ombro do Pai

Abraçava a distância do Pai
Escrevia a imagem da Mãe

Absorvia as entrelinhas da Mãe
Decorava os cabeçalhos do Pai

Os pais fugiam-lhe da vida
A vida fugia-lhe dos pais

Era um Pim-Pais-Pum



Para F e M, os miúdos do momento.
Bilhetado por Brunorix às 17:36

13
Jul 09
E ao sétimo livro deu-se o advento da boa leitura. Próximo pela distância de não o conseguir igualar e longe por estar tão perto de alcançar, este 333 de Pedro Sena-Lino é uma ode ao estruturamento da escrita e à métrica dos acontecimentos. Uma ideia muito original (para mim a base fundamental de um bom livro) que nos transporta pelas 333 impressões de uma obra. Ou pelas 333 personagens? Ou o livro é a personagem?

Fundamentalmente, um livro que levanta questões e que deixa muito espaço à imaginação de cada leitor. Um livro não deve ser uma obra fechada, mas sim um local de portas abertas para cada um manobrar o seu veículo de entendimento. Deixemos falar quem sabe:

Quantas aventuras cabem dentro de um livro? Resposta: tantas quantas os seus leitores. 333 é a história das histórias das vidas tocadas por um livro profano que queimava como um livro sagrado. Pedro Sena-Lino leva-nos pela mão até um desses livros que, mais do que ser lido, lê e revela quem o abre. Rui Zink

Uma cornucópia de histórias através do tempo onde se prova que só o amor é imutável. As palavras do poeta ao serviço de uma grande imaginação fizeram de Pedro Sena-Lino um romancista. Dulce Maria Cardoso

É um hino. Ao amor. Amor pelo Livro, pela Palavra. Este primeiro romance de Pedro Sena-Lino faz muito mais do que contar uma história. Marie-Noëlle Ciccia (Universidade de Montpellier)



Poeta, romancista, investigador, declamador ou o que for, Pedro Sena-Lino é sobretudo um amante das letras que se deixa amar por elas. Esse amor é visível em cada linha que escreve, em cada sentimento que ensina e é assim que transpira palavras por cada poro deste romance.

Faço votos para que os (quase) 333 membros deste Clube façam gritar bem alto a opinião que lhes rasga o peito e que lhes incendeia a alma. Bramam as vossas sentenças e gladiem sentimentos, pois a chama do julgamento literário erguerá a sua ira sobre os que não se manifestarem!


P.S. – E já agora não esquecer as sugestões para a próxima leitura.


10
Jul 09
Apanhado na curva da surpresa, respondi ao solicitado com a ansiedade do resultado. Depois de uma contribuição imaginativa, seguiu-se um testemunho. Foi sentido, foi verdadeiro e foi simples como todas as coisas boas. Gostei do resultado e ele pode ser lido aqui, ou aqui ou… Aqui!

Como a modéstia é uma característica de quem cria (eu pelo menos queria), pode também ser lida AQUI. Os escolhidos, são os afortunados do acaso e não fazem caso que outros sejam tolhidos. Obrigado pela escolha e prometo continuar modesto!




P.S. – RL: vista como liberdade de escrita na perspectiva de concordância com a imagem, claro!

Bilhetado por Brunorix às 17:22

Louvados os caminhos que nos levaram nesta Caravana. A seda que se sente, que se vê, que se vibra, transporta a emoção no sentido da cor. Os olhos trabalham muito e os ouvidos sentem cada passo dado no imaginário. O cheiro a qualidade já é habitual nas produções do Meridional e as despidas encenações vestem-se com muita magia.

Nas palavras dos próprios: O Teatro Meridional é uma Companhia portuguesa vocacionada para a itinerância que procura nas suas montagens um estilo marcado pelo despojamento cénico (absoluta verdade!) e pelo protagonismo do trabalho de interpretação do actor (mais verdade ainda!), fazendo da construção de cada objecto cénico uma aposta de pesquisa e experimentação (comprovo, eu vi!). As principais linhas de actuação artística do Teatro Meridional prendem-se com a encenação de textos originais (lançando o desafio a autores para arriscarem a escrita dramatúrgica), com a criação de novas dramaturgias baseadas em adaptações de textos não teatrais (com relevo para a ligação ao universo da lusofonia, procurando fazer da língua portuguesa um encontro com a sua própria história), com a encenação e adaptação de textos maiores da dramaturgia mundial, e com a criação de espectáculos onde a palavra não é a principal forma de comunicação cénica. (caramba! Onde é que assino?)



Mais uma sala a meio gás na realidade cultural do nosso país e no espanto da minha indignação. Entristece-me a indiferença e o desconhecimento. O medo de assistir a eventos menos mediáticos afasta as maiorias. Tenho pena… mas eu fui, continuarei a ir e a fazer o possível por divulgar.

Bilhetado por Brunorix às 16:52
tags:

09
Jul 09

Já não há Verão. Este tempo que nem tem tempo para ser tempo, revolta em mim o Julho da memória quente. Onde é que ele foi?

Está frio de madrugada e o sol não presta. Mas que mer** é esta?!

As praias da vontade estão cheias de ansiedade. Compra-se sol (de)posto ANTES DE AGOSTO, vende-se este cinzento friorento.

Está frio de manhã e o sol não presta. Mas que mer** é esta?!

Os casacos do nojo cobrem-nos a pele do motim; enfim, corre um tempo em que o tempo nem chega a tempo e o atraso veste-se assim: com mangas.

Está frio de tarde e o sol não presta. Mas que mer** é esta?!

A sombra da vaidade irrita-nos o bronze da questão. - É verdade, tem razão, não teime. Passe cá amanhã pode ser que já queime. – Escondem-se as vergonhas do tempo, sem tempo nem tempo algum.

Está frio de noite e o sol não presta. Mas que mer** é esta?!




- Hoje o sol até queima a razão!
- … ok… desculpem a questão.


08
Jul 09
A motivação que impulsiona as acções de cada um não se mede pela razão, mas sim pelo sentimento. O tribunal das relações pessoais não deve ser acutilante nos seus julgamentos. O espaço de respiração é exíguo e escasseia a margem de manobra dentro de cada obra.

O sufoco de cada pensamento medido ao milímetro da consequência, aperta a garganta da consternação e arranha o fundo da alma. Vamos com calma…

- As dotas sapiências de suas excelências, fazem o favor de me deixar sentir?

As pressões circundantes, as constantes, reduzem o pensamento individual e acrescentam desnecessárias questões. Meras ilusões. O produto da soma é a subtracção da diferença pela indiferença, acrescentando a sentença. Será isso que cada um pensa?

– Não pensem… sintam!

A mentira do sentimento interno chega aos poros da razão em pequenos afloros de verdade, sem consequência. O arrepio do destino arrefece a realidade do presente e afasta do pensamento o momento.


Senhoras e Senhores: bem-vindos ao submundo da mente!


Bilhetado por Brunorix às 13:41

07
Jul 09
Dois gelados secretos, um lambido e um trincado, estendiam-se numa esplanada de gelo ali prós lados do Pólo Norte. Enquanto um lia o jornal, o lambido, o outro falava ao telefone com um primo, o chupado.

Gozavam umas, merecidas, férias de Inverno com muito descanso e muita diversão evitando conversas muito picantes para não se derreterem de riso. As manhãs eram passadas a esplanadar ao gelo e à tarde dividiam-se entre massagens a frio e sessões de congelador para tonificar a pele.




Tudo corria na mais tranquila das temperaturas, até receberem um telefonema da Arca Central Dos Congelados (ACDC) a dizer que tinham que interromper as férias e regressar com urgência ao quartel-general. Um arrepio de calor percorreu-lhes o pauzinho de madeira e a indignação estragou-lhes o corante. No chão, dois pingos de suor raivoso (um laranja e um ananás) ficavam para trás.

Vestiram dois pacotes à pressa e apanharam o primeiro carro frigorífico que saía nessa tarde. Como a viagem demorava cerca de 4 horas ligaram o i-phrio à internet para consultarem o g-mail (mail dos gelados) para saber se as últimas notícias fresquinhas ajudavam a perceber de onde viria tamanha urgência. Deu em nada.

Assim que chegaram à Central, galgaram escadas de ansiedade e foram directos à sala de reuniões, como lhes tinha sido indicado. Abriram a porta com a força da indignação que tinham e entraram no espanto:

- Agente Laranja, Agente Ananás, sentem-se! O assunto é urgente!

Gelaram, ainda mais, perante a voz suprema e mais fria da hierarquia. À sua frente estava “apenas” o gelado mor, aquele que nunca aparecia que nunca se deixava derreter, nem lamber, nem trincar. O único sabor que ninguém conhecia: Cornetius Epámaxis, o Presidente da ACDC!

Sentaram-se na sua pose mais profissional levantando o sobrolho adocicado e ajeitaram subtilmente as armas que traziam por baixo do pacote. Encheram o peito de ar e esperaram o aquecimento que aí vinha.

- Estamos a ser vítimas de espionagem industrial, a CIA (Capitão Iglo & Associados) infiltrou um agente nas nossas instalações! Um Douradinho! – Exclamou Cornetius enquanto esmurrava a mesa de raiva fria.

- Isso nem é problema! O último Douradinho com que me cruzei, nem chegou a ser mastigado! – Disse Laranja afagando a coronha da sua Magnum 44 Classic (6 tiros avelã com coronha baunilha pérola).

- Cuidado… as coisas não são bem o que eram. Estamos na era glaciar e estes mega Douradinhos agora são XXL!



- XXL, fritos ou por desembalar já liquidámos pior! – Acrescentou Ananás endireitando-se de convicção na cadeira. – Como quer que acabemos com ele? À garfada?

- Vamos com calma! Primeiro temos que sacar o que ele já sabe sobre a foto secreta da Eva Longoria que vamos usar em 2010. Parece que a querem roubar para colocar nas novas caixas de pastéis de bacalhau. A imagem do velho já não vende nada!

- Sacanas… - Grunhiu Laranja raivoso – um tiro de avelã no meio dos olhos e nem com arroz os queriam!


(continua)
Bilhetado por Brunorix às 18:49

06
Jul 09
Poesia é quando uma emoção encontra o seu pensamento e o pensamento encontra palavras.


Robert Frost
(1874-1963)
Bilhetado por Brunorix às 16:21
tags:

05
Jul 09
Dois dias de poesia, quem diria, despertaram dragões de leitura racharam do peito armadura. Acendeu-se na alma o fogo da vontade escrita.

Dois dias de poesia, quem diria, fizeram calar preconceitos deixaram gritar outros feitos. Fugiram as vozes escondidas em envelopes de boca fechada.

Dois dias de poesia, quem diria, cantaram sons de outros tempos mostraram novos intentos. A música da arte em letras soou em pautas de descoberta.

Dois dias de poesia, quem diria, acordaram lides sabidas ouviram versões mais lambidas. Escreveu-se no destino dos sons a vontade dos deuses poetas.

Dois dias de poesia, quem diria, soltaram amarras de literatura suavizaram a escrita mais dura. Nos barcos do amanhã navegaram as frases de força sentida.

Dois dias de poesia, quem diria, ergueram torres no alto do sonho pintaram de azul o céu tristonho. Subiram-se escadas de palavras em passos de gigante leitor.

Dois dias de poesia?! Quem diria! 




Bilhetado por Brunorix às 21:52

Julho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

12
14
15
16
18

19
20
23
24

26
28
29
31


Bilhete Radiofónico

 

BILHETE`S DIVER
EMÍLIO DO BILHETE
bilhetedeida@gmail.com
BLIHETES PUBLICADOS

 

 

 

Encontrar Bilhetes