Escritas do fundo do mar

28
Mar 08
As vicissitudes da vida fazem-me entrar de quando em vez num café da Alta. Da alta chunga, diga-se. O caricato do ambiente traduz-se nos pormenores frequentadores e envolventes. A começar pelo nome, Rosa Latina. A Rosa (que por acaso é Sandra) deve ter ido buscar a ideia ao facto de parecer um verdadeiro macho latino, o que em versão feminina deve dar Rosa.

Não contente com a sua feminilidade máscula, a Rosa, aliás Sandra, insiste em partilhar connosco uma pastilha elástica que a cada mastigadela nos brinda com a aparição da sua língua a envolver avidamente e freneticamente aquela pastilha, qual peça de roupa no tambor da máquina. Voltas e mais voltas e em cada uma, a aparição linguística num constante vai e vem. Da equipa, faz parte a Lena de leste que absorveu em pleno o ambiente chunguítico que a rodeia (o pessoal de leste tem esta capacidade de se adaptar facilmente a tudo) e que também já treina partilha de pastilhas com os clientes.



Das 6 vezes que lá entrei, de manhã, vi sempre as mesmas pessoas, o que me faz pensar que são frequentadores habituais. Uma família de ciganos, cujos 3 rebentos comem logo pela manhã, em efusivo barulho, bolos com chocolate e Coca-Cola, enquanto o patriarca mama a sua bojeca e a sandocha de presunto, misturando mastigadelas de boca aberta com algumas chapadas nos putos. A loura platinada de 60 anos, que é muda, mas emite alguns grunhidos comunicativos e que insiste, mesmo assim, em falar com todas as pessoas que entram. E finalmente, a piéce de résistance, a senhora com 2 por 2 (metros!) que ocupa de facto duas cadeirinhas quando se senta ao balcão, uma para cada bochecha presumo, e que ostenta o seu esbelto cabelo oleoso e a sua luzidia caspa, tipo neve, nos seus ombrinhos, que medem (cada um!) mais coisa menos coisa a largura das minhas costas, e que pede delicadamente em volumosos decibéis:

- Oh Sandra! Quero uma torrada cheia de manteiga e uma meia de leite! Ó des pois tiras um café!

Ao que a Sandra, Rosa, aquiesce subservientemente (não vejo acontecer isso com mais ninguém) enquanto espirra furiosamente para cima dos bolos. Monco puxado, braço passado transversalmente para limpar o pingo que já aparecia e de volta à mastigação partilhada, remata:

- Que alergia que tenho logo hoje que faço anos!

Perante tal espectáculo, e com o inevitável e incontrolável esbugalhar dos meus olhos, refugio a minha estupefacção na sandes de queijo e no fundo do meu galão, enquanto a Rosa, Sandra, aproveita para cravar, no verdadeiro sentido da palavra porque ela insistia que tinha que ser uma oferta, ao Sr. Hélder (o fornecedor das bebidas que chegara no entretanto) duas garrafinhas de champanhe pela efeméride comemorativa do dia, e vou pensando que até é divertida a vida do meu bairro com todas estas partilhas!



P.s. - E hoje de manhã ainda vi o meu "amigo" GNR, no sítio do costume. Até disse adeus, mas esqueci-me que ia de mota...

Bilhetado por Brunorix às 12:15

Bem, que cenário mais dantesco logo pela manhã! Rica maneira de começar o dia... Fiquei curiosa: quantos dentes tem essa Rosa (Sandra) Latina? :)
Anónimo a 31 de Março de 2008 às 14:21

Março 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

16
21
22

23
26

30
31


Bilhete Radiofónico

 

BILHETE`S DIVER
EMÍLIO DO BILHETE
bilhetedeida@gmail.com
BLIHETES PUBLICADOS

 

 

 

Encontrar Bilhetes